Paranoia

Embora a cultura em geral descarte o autocuidado mental, em parte por causa do estigma contra aqueles que enfrentam transtornos psicológicos, o bem-estar emocional deve ser uma prioridade para todos. E hoje vamos falar de um problema que quase não é discutido na mídia e rodas de conversa: a paranoia.

O que é?

É um transtorno de personalidade em que o comportamento da pessoa pode parecer estranho ou incomum para os outros. Um indivíduo com essa enfermidade desconfia de tudo e de todos.

Eles desconfiam dos motivos dos outros e acreditam que as outras pessoas querem prejudicá-los. Características adicionais desta condição incluem ter rancores.

Geralmente, esse distúrbio aparece no início da idade adulta. E quem é paranoico se sente como se estivesse sob ameaça, mesmo que ela não exista.

Os pensamentos paranoicos também podem ser descritos como delírios. Há muitos tipos diferentes de ameaças que podem assustar e preocupar quem tem esse transtorno.

Pensamentos paranoicos também podem ser considerados suspeitas exageradas. Por exemplo, alguém fez um comentário desagradável sobre você uma vez, e você acredita que estão dirigindo uma campanha de ódio contra você. É assim que uma pessoa paranoica vê as atitudes de terceiros.

Na paranoia, seus medos se tornam amplificados e todos os que você conhece são atraídos para essa rede. Você se torna o centro de um universo ameaçador.

Leia Também:



Sintomas

Muitas vezes, as pessoas com transtorno de personalidade paranoica não acreditam que seu comportamento seja anormal. Pode parecer completamente racional para elas suspeitar dos outros.

No entanto, aqueles ao seu redor dele podem acreditar que essa desconfiança é injustificada e ofensiva. Porque a pessoa pode se comportar de maneira hostil ou teimosa, e podem ser bem sarcásticos.

Alguém com pode ter outras condições que podem alimentar seu comportamento. Por exemplo, a depressão e ansiedade, que podem afetar o humor de uma pessoa.

Outros sintomas incluem:

    Duvidar da lealdade dos outros.
    Ser hipersensível à crítica.
    Ter problemas para trabalhar com os outros.
    Se tornar bravo e hostil de uma hora para outra.
    Isolamento.
    Ser argumentativo e defensivo.
    Ter problemas para ver seus próprios problemas.
    Ter problemas para relaxar.

Causas

A causa da paranoia é a quebra de várias funções mentais e emocionais, envolvendo o raciocínio. As razões para essas quebras são variadas e incertas.

Alguns sintomas da paranoia relacionam-se a sentimentos reprimidos, negados ou projetados. Muitas vezes, pensamentos e sentimentos paranoicos estão relacionados a eventos e relacionamentos da vida de uma pessoa, aumentando assim o isolamento e a dificuldade em obter ajuda.

Tratamento

O tratamento pode ser muito bem-sucedido. No entanto, a maioria dos indivíduos com essa condição tem problemas para aceitá-lo. Porque não vê seus sintomas como injustificados.

Se um indivíduo está disposto a aceitar o tratamento, a terapia de conversa ou a psicoterapia são úteis. Além dos métodos abaixo:

    Ajude o indivíduo a aprender como lidar com a desordem.
    Ensine a ele a se comunicar com os outros em situações sociais.
    Ajude-o a reduzir os sentimentos de paranoia.

Os medicamentos também podem ser úteis, especialmente se a pessoa tiver outras condições relacionadas, como depressão ou transtorno de ansiedade. Os medicamentos podem incluir:

    Antidepressivos.
    Benzodiazepínicos.
    Antipsicóticos.

A combinação de medicação com terapia ou psicoterapia pode ser muito bem-sucedida.

Prognóstico

Os indivíduos que aceitam tratamento podem manter um emprego e manter relacionamentos saudáveis. No entanto, eles devem continuar o tratamento ao longo de sua vida, porque não há cura. Os sintomas do continuarão, mas podem ser gerenciados com cuidado e suporte.

Pessoas com paranoia que resistem ao tratamento podem levar menos vidas funcionais. Porque ela pode interferir na capacidade de manter um emprego ou ter interações sociais positivas.

Então, a nossa dica para esses pacientes é que tenham uma atenção especial com esse distúrbio, comparecendo à terapia e tomando todos os medicamentos.


Postar um comentário

Blogger