Ads (728x90)

.

Algumas situações se relacionam no mundo atual: vivemos a Era da informação ao passo que temos a depressão como o mal do século. Se as duas causas estão diretamente relacionadas, não é possível dizer com certeza; certo é que a Geração Y, essa promessa de inovação, que nasceu cercada pelas facilidades tecnológicas e praticidades em geral, parece precisar tomar vários remédios a fim de controlar seus anseios pessoais.

A premissa é básica: se estou insatisfeito, busco um escape. E existem vários, lícitos ou não. Agora, é realmente viável depender de fármacos para seguir em frente? Somente o remédio não basta. Engolir um pequeno comprimido e seguir funcionando de uma forma robótica, não é suficiente para solucionar o desânimo ou seus problemas pessoais.
Se entorpecer de qualquer forma, com o objetivo de obter um momento ilusório de satisfação, para depois sofrer com a culpa? Escapes sintéticos são passageiros e, por conseguinte, falhos; geram dependência e podem agravar ainda mais uma situação de desânimo, quando a pessoa se vê refém do que pensou ser sua salvação.

Somos seres sociais. Estamos cercados por pessoas e, na medida do possível, pela natureza. É possível haver interação, troca de ideias e contemplação. Por mais que às vezes pareça impossível, existem maneiras de extrair o que há de melhor no mundo e selecionar o que funciona para o seu bem-estar.




Leia também:

O homem e a consciência
A racionalidade pode ser uma faca de dois gumes. Foi através dessa peculiaridade humana, da cognição, que conquistamos o topo da cadeia alimentar, organizamos civilizações e seguimos desenvolvendo tecnologias e métodos para facilitar nossas vidas. Se explorada de maneira negativa, porém, pode ser a maior inimiga de uma pessoa, pois pode gerar um ciclo de pensamentos potencialmente desastrosos: por que seguir em frente se o fim é a morte? De que vale correr atrás de algo, se tudo é passageiro? Com todas as desgraças que permeiam o mundo, de que vale persistir?

Enxergar somente o lado sombrio do mundo pode devastar qualquer pessoa. Aqui, vale o ciclo supracitado: quando há insatisfação, o escape se faz necessário. Há, porém, o maior benefício que temos como seres humanos: a capacidade de pensar os próprios atos, compreender sentimentos, fazer planos, conquistar objetivos, amar os semelhantes, criar laços profundos. Não somos mais meros animais nem devemos nos dobrar as saídas viciantes, afinal, todos temos consciência e, para que haja harmonia no existir, ela deve ser usada como uma aliada de nossa jornada.

Primeiras experiências
Desde os primeiros anos de estudos, passamos por diversas matérias, fazemos trabalhos em grupos, convivemos com diversas personalidades diferentes e passamos por situações desagradáveis.
É nesse período de experimentação – e mesmo mais além, se for o caso – que é possível começar a vislumbrar o futuro, considerando as matérias nas quais você se dá melhor, se o trabalho em grupo funciona para você, se os esportes são motivadores, etc.

Tudo que fazemos pode ter um lado bom e ruim. Para que tudo ocorra bem, é preciso tentar extrair sempre o que há de melhor nas experiências e, quando possível, aprender com os erros cometidos. Focando no lado positivo das coisas e vendo os erros como degraus para o crescimento pessoal, é possível seguir sempre mais forte e satisfeito.

Autoconhecimento
Você já parou para pensar no que realmente gostaria de estar fazendo? Ou no que deseja fazer com a sua vida? Você sonha à noite, sozinho, mas, ao raiar do sol, acaba se sujeitando somente aos afazeres indesejáveis do cotidiano?

Mais do que nunca, com a febre das redes sociais e com toda a facilidade advinda da internet, estamos conectados a todo o momento, é possível trocar informações em tempo real, ler notícias diferentes a cada minuto e assim por diante. Dentro dessa interatividade, porém, tudo indica que algo se perdeu.

É necessário ter um tempo para refletir sobre a própria existência, considerar seus desejos e paixões e estabelecer ao menos uma base do que se pretende. Em uma palavra, é preciso conhecer a si mesmo. Ao criar uma identidade própria, baseando-se nos próprios sentimentos e considerando o que é bom para si, não haverá espaço para influências degradantes e, principalmente, não haverá submissão perante ditames de terceiros. E é a partir dessa identidade, desse autoconhecimento que será possível trocar os passos com segurança.


Liberdade
Não há uma maneira correta de viver. Há uma maneira que funciona para fulano, mas não agrada ciclano. Essa pluralidade de gostos e saberes deve ser vista como um desafio saudável, onde se posicionar com a mente aberta é uma maneira de se harmonizar com a sociedade e não se tornar escravo de convicções, estas que aprisionam e têm potencial de transformar o mundo num palco de guerra entre os que dizem seguir o modo correto de seguir em frente.

Devem-se perseguir os sonhos, independente do que for. Pode até ser vista como uma frase batida, mas sem uma ambição acabamos estagnados e abrimos espaço para pensamentos negativos; afinal, realmente, se nada acontece ao meu redor, tudo é estático e tedioso, de que vale tudo isso? É imprescindível conhecer os próprios desejos, correr atrás do que se ama e buscar conquistar seus objetivos.

O mais importante é não limitar suas ambições frente a valores arcaicos ou pessimistas. A situação pode até mesmo ser contrária: quando se tem uma meta em vista e você se dedica a alcançá-la, com um sorriso no rosto por saber estar fazendo o que é certo, o derrotista é que pode acabar influenciado pelo seu modo seguro de seguir em frente.
 

Fuja do imediatismo
Apesar de todos os avanços e facilidades, a Era digital vem gerando pessoas ansiosas e insatisfeitas. Quando se está imerso no mundo virtual, tudo está ao alcance de alguns cliques, é possível acessar exclusivamente o que é de seu interesse, etc. Basicamente, no meio digital, o mundo gira em torno de cada um que está acessando a internet. A vida real, todos sabemos, não funciona assim.

Podem surgir contratempos ao longo de nossas vidas, no que as coisas não saem como o esperado. O importante é não se deixar abalar facilmente ou ficar parado por medo de errar, esperando que tudo se resolva sozinho. Ciente do que pode te fazer feliz, basta começar a correr atrás, capacitar-se da forma devida e traçar metas, motivado pela busca da satisfação pessoal.

Harmonia
Levar tudo tão a sério é a receita perfeita para o desastre mental. É necessário descontrair e saber dosar as atividades da vida, criando harmonia entre os deveres e prazeres; ou, idealmente, aliando deveres com prazeres.

Ficar estritamente focado em uma só atividade não é aconselhável. Devem-se expandir os horizontes, experimentar algo novo sempre que possível e seguir avaliando o que há de melhor para extrair disso tudo. Isso mesmo quando se conquistou um objetivo, afinal, sempre há tempo para mais e, se não explorar novas possibilidades, nunca saberá se existe algo que pode te fazer ainda melhor.

A satisfação pode aumentar com a diversidade: se o trabalho, de segunda a sexta, te mantém trancado num escritório, mexendo com planilhas e resolvendo problemas estressantes, o fim de semana pode ser utilizado para atividades ao ar livre e um contato maior com a natureza e pequenos prazeres – uma forma de recarregar as baterias e não se enfadar.  

Converse
Hoje em dia, pode até parecer coisa do passado, mas conversar pessoalmente com amigos ou familiares pode ser o ideal para sanar dúvidas, trocar experiências e informações, escapar do estresse gerado pela rotina.

A troca de saberes entre seres diferentes é uma experiência enriquecedora. Como reza a máxima popular, duas cabeças pensam melhor que uma. Ao compartilhar ambições e frustrações com pessoas com as quais você leva a opinião em conta, será possível receber valiosos conselhos ou mesmo represálias pontuais, que podem clarear a sua visão.

O importante é não se fechar, jamais, no mundo de valores absolutos; imaginar-se o ser ideal ou modelo a ser seguido. A vida em sociedade é indispensável para o crescimento pessoal. Todo contato com pessoas queridas é válido para você se fortalecer num dia de desânimo ou manter a determinação necessária para seguir em frente.

Incertezas
O incerto pode ser – ironicamente – um excelente combustível motivacional. Se você ainda não sabe o que fazer, significa que todas as opções do mundo estão à sua disposição; se já conquistou algo, mas está insatisfeito, sempre há muito mais a ser explorado; o cargo que ocupa atualmente na empresa não é o bastante, veja o que é necessário para ser promovido; pretende começar a praticar uma atividade física, mas não tem certeza do que fazer, experimente as opções mais atrativas; entrou numa faculdade com uma ideia, mas acabou desanimando no decorrer dos estudos, há inúmeros outros cursos disponíveis.

Tudo se resume, enfim, à multiplicidade que compõe o mundo. Para seguir em frente de cabeça erguida, basta estar ciente de que um erro nunca é o fim do mundo e que, procurando com a devida atenção, é possível achar algo que lhe agrade dentre as infinitas opções de ofícios e entretenimentos que fazem da Terra esse lugar tão diverso e fascinante.

Postar um comentário

Blogger