Ads (728x90)

.

Transtorno bipolar

Não é raro encontrarmos quem se autodiagnostica ou afirma erroneamente que outra pessoa é bipolar, isso acontece por que mesmo não sendo tão raro esse transtorno é um tanto quanto complexo e divide sintomas e características com outras patologias psiquiátricas/psicológicas, por essa razão até mesmo profissionais de saúde (médicos e psicólogos) evitem dar esse diagnóstico. Nesse artigo eu me proponho a difícil tarefa de explicar o que é, quais as causas, o tratamento e como controlar o transtorno bipolar.

Entendendo o transtorno bipolar

Para se entender verdadeiramente o que é o transtorno bipolar é necessário conhecer alguns conceitos básicos de psicopatologia e é isso que iremos ver agora.

O que é humor psicológico?

O transtorno bipolar tem como principal sintoma a oscilação do humor. Mas o que os psicólogos entendem por humor? Esse termo se refere a uma espécie de energia que dá força aos nossos pensamentos e comportamentos, quando uma pessoa está com humor baixo (depressão) é como se ela estivesse com as pilhas fracas, não tem vontade de fazer nada e até mesmo as emoções ficam menos intensas. Quando se está com o humor alto (euforia ou mania) o comportamento, os pensamentos e até mesmo as emoções se tornam mais intensos e enérgicos.

Euforia

É um estado de exaltação do humor, o indivíduo se sente extremamente alegre e cheio de energia sem que haja nenhuma razão para isso. A euforia também pode se apresentar como irritação, nervosismo e até mesmo agressividade. O surgimento da euforia é súbito, mas na maioria das vezes o sujeito não percebe o seu aparecimento (é notado apenas pelos outros).

        Durante o estado eufórico o senso crítico e a avaliação racional da realidade ficam prejudicados, fazendo com que a pessoa acredite que possa fazer coisas que não condizem com o mundo real, por exemplo atravessar paredes ou voar. Ocorrem ainda casos em uma pessoa em mania acredite ser capaz de efetivar tarefas para as quais não possui treinamento adequado, como pilotar um avião ou realizar uma cirurgia. Essa característica fez com que muitos bipolares fossem diagnosticados como esquizofrênico por profissionais menos atentos.

        A euforia pode ser acompanhada por maior disposição e interesse sexual, aumento da interação social, redução do sono e menor capacidade de concentração.
        O indivíduo se torna extremante confiante a autoestima vai a alturas, me lembro de uma paciente que quando em estado de mania no auge dos seus 150 kg acredita ser capaz de seduzir qualquer um.

Depressão
Não vou descrever a depressão nesse artigo por já ter feito isso no post o que é Depressão, sugiro que o leia se quiser saber mais. Podemos dizer que ela apresenta praticamente o inverso de todas as características da euforia/mania.   
Depressão unipolar e bipolaridade: Pessimismo e pensamentos derrotistas são sintomas da depressão, em uma depressão mais branda esses sintomas podem causar irritação, agitação e animosidade o que pode ser confundido com euforia, ao passo que quando o estado depressivo se intensifica não sobra energia para que o sujeito reaja assim. Desse modo é comum vermos pessoas acreditarem que são bipolares quando sofrem de depressão unipolar. 
  

O que é transtorno bipolar?

Trata-se do distúrbio psiquiátrico em que o paciente passa por oscilações bruscas de humor, transitando da depressão a euforia em períodos muito curtos sem que haja nenhuma causa aparente. O personagem Mr. Jones interpretado Por Richard Gere sofre do transtorno e seu comportamento condiz com o diagnóstico.

Bipolaridade e dupla personalidade
Como disse o humor influência na intensidade das nossas emoções (sentimentos e afetos também), isso acaba por ressaltar ou amenizar os traços de personalidade que um sujeito já tem. Desse modo alguém que é briguento quando estiver em euforia pode ser extremamente agressiva ao passo que em depressão pode parecer mais pacífico. Essa mudança dá a impressão de que estamos lidando com pessoas totalmente diferentes, mas na verdade o que mudou foi a intensidade das emoções. A mudança da extrema autoconfiança típica da euforia para baixa autoconfiança típica da depressão é outro fator que fez por muitos anos pessoas chamarem o transtorno bipolar de portadores de dupla personalidade.

Momentos de equilíbrio: Entre as oscilações podem ocorrer momentos em que o indivíduo bipolar se encontre em estado de humor dentro do considerado normal, mas em geral isso é apenas uma passagem para o outro extremo.

Apego ao transtorno: não é incomum que as pessoas bipolares entendam o seu transtorno como parte de sua personalidade e gostem dos estados de mania, em geral elas querem se livrar da depressão mais não da euforia.
  

Dicas para controlar o transtorno bipolar

Evite o pensamento oito ou oitenta
Pessoas bipolares costumam ser levados por pensamentos de tudo ou nada:
·       A vida é perfeita ou eu prefiro morrer
·       Você adora tudo o que eu faço ou me odeia
·       As coisas acontecem do jeito que planejei ou são um desastre
Aqui está o que chamamos de erro cognitivo, um problema que acaba gerando inúmeros distúrbios psicológicos, entenda mais sobre esse fenômeno lendo: O que são pensamentos automáticos?

O Mundo não apenas preto ou branco, na verdade existe inúmeros tons de cinza entre eles. Então nada é inteiramente ruim sempre tiramos algo de bom mesmo das piores situações.

Durma mais e com mais qualidade
        A correlação entre problemas do sono e transtornos mentais já é notada a muito tempo, pessoas que dormem pouco sofrem mais de ansiedade e depressão, contudo pesquisas recentes apontam que a falta de sono pode estar relacionada a oscilação do humor e com o surgimento do transtorno bipolar. Ainda que a insônia não seja a causa desse transtorno, ela com certeza intensifica os seus sintomas por essa razão procure ter boas noites de sono todos os dias.


Alimente-se bem
        Nossas emoções e o nosso humor são regulados por substâncias químicas obtidas normalmente através da nossa alimentação, uma alimentação desiquilibrada pode acarretar não apenas doenças físicas como também transtornos psicológicos e emocionais.  Para entender melhor leia:
Mantenha a mente em equilíbrio

        A falta de autocontrole é exatamente o que mais atrapalha a quem sofre de transtorno bipolar. A dificuldade em se controlar leva as súbitas mudanças no estado emocional e aos comportamentos inadequados dos quais o bipolar pode se arrepender depois. Exercícios tais como Yoga, meditação e a prática de artes marciais além de aumentarem a capacidade de autocontenção trazem um estado de harmonia que em geral falta a que sofre de transtorno bipolar.
  • Exercícios de relaxamento e distração psicológica 
  • Como controlar a própria mente?

Qual é o tratamento para o transtorno bipolar?


A psicoterapia clínica e a psicoterapia medicamentosa são as formas terapêuticas mais tradicionais e consideradas as mais eficientes no tratamento do Transtorno bipolar. Se individualmente elas dão resultado a combinação de ambas traz melhoras ainda mais significativas.

Psicoterapia e transtorno bipolar


A condução, as técnicas e objetivos da psicoterapia no tratamento do transtorno bipolar variam de acordo com o psicólogo e a linha teórica que ele (a) segue, mas na maioria dos casos podemos listar:
Autocontrole: O psicólogo ensina técnicas e auxilia o paciente controlar os próprios pensamentos e emoções tornando-o capaz de evitar que as crises de depressão e/ou euforia surjam a qualquer momento. O psicólogo auxilia também o paciente a conter os comportamentos mais autodestrutivos e prejudiciais que podem surgir durante os surtos.
Administração de conflitos internos e interpessoais: pacientes bipolares costumam ter uma vida marcada por conflitos com familiares e outras pessoas com as quais se relaciona, não é raro que essa doença tenha surgido após a morte de ente querido, divórcio, demissão outra situação fragilizante. Esses problemas tanto podem ser a causa quanto podem estar intensificando os sintomas do transtorno, nesse caso o psicólogo ajudará o paciente a elaborar e em alguns casos solucionar tais conflitos.
Orientação e terapia familiar: O apoio da família é essencial para que o paciente bipolar consiga uma boa recuperação, contudo nem sempre os familiares compreendem a natureza dessa doença ou sabem o que podem fazer para ajudar o parente que sofre desse mal. O psicólogo pode intervir orientando a família sobre formas de lidar com a situação e até mesmo até mesmo realizar terapia familiar para trabalhar possíveis conflitos que estejam relacionados ao transtorno.


Remédios e Transtorno Bipolar


As pessoas reagem de maneira diferente a medicação, afinal cada organismo é único, por essa razão existe variações de remédios e dosagem para o tratamento do Transtorno Bipolar. O profissional competente para prescrever essa terapêutica é o psiquiatra, não hesite em procurar por um caso tenha a necessidade.
Anticonvulsivos: os medicamentos anticunvulsivos tais como Rivotril e Gardenal são utilizados como estabilizadores de humor em alguns casos.
Antipsicóticos: Exemplo desses medicamentos são o Clorpromazina, Haloperidol, eles são usados para combater alguns dos sintomas do transtorno e controlar surtos de mania.
Antidepressivos: Fluoxetina e Sertralina estão nessa classe. Podem ser usados para combater os surtos depressivos, porém costumam ser combinados com algum outro estabilizador de humor pois seu uso pode aumentar a incidência de episódios de euforia.
Antimaníacos: essa nomenclatura controversa é representada basicamente pelo Lítio e como é possível deduzir sua função, que é controlar o estado maníaco/eufórico, além disso estabiliza as atividades do cérebro.
Espero que esse artigo tenha sido útil, não se automedique e não se leve pela ilusão de que pode se curar sozinho (a), procure por um profissional competente. 
 

Postar um comentário

Blogger