Somos seres sociais e precisamos da aprovação dos outros para nos sentir integrantes de um grupo, antes da civilização nossa sobrevivência dependia disso.

Desde pequenos aprendemos que somos aceitos quando correspondemos ao que as outras pessoas esperam de nós (criança boazinha ganha sobremesa, criança malcriada fica de castigo), desse modo quando não conseguimos satisfazer tais expectativas ou acreditamos que somos incapazes de satisfazê-las, somos tomados por um sentimento de inadequação, nos sentimos o “patinho feio” do nosso grupo.

Como se livrar dos sentimentos de inferioridade? 


Pare de sentir autopiedade
A piedade dos outros nos coloca em uma posição confortável, em que nos vemos desobrigados a realizar determinadas tarefas e ficamos livres da culpa e das acusações (coitadinho! Tá dodói, não precisa ir à escola...).

Em certa etapa da vida as pessoas não nos veem mais como coitados, mas ainda assim ansiamos pela piedade e toda proteção que vem com ela. O que fazemos? Desenvolvemos a autopiedade para satisfazermos as nossas próprias manhas.

O problema é que a autopiedade é uma praga, ela atrapalha na sua vida financeira, amorosa, social e pode prejudicar até mesmo a sua saúde. Enquanto você se enxergar como coitadinho sempre vai se sentir inferior aos outros. Eu não sei quem você é, mas sei que é tão capaz quanto qualquer outro! Desde que não fique sentindo dó de si mesmo.
·       Melhore sua Autoestima


Compensando as suas limitações
Talvez você acredite que possua alguma limitação que é a causa do seu complexo (sou gordo, magro demais, feio, burro, etc. etc.). Entretanto tenho certeza que se procurar, vai encontrar pessoas com o mesmo problema que você e que, e apesar disso são muito bem resolvidas. Seus sentimentos de inferioridade não estão na sua “limitação” ou “defeito”, mas na forma como você se percebe.

As limitações e deficiências podem até mesmo ser um impulso para que você vá mais longe. Beethoven era surdo e se tornou o maior músico da história, Cleópatra não era bonita (é que dizem os historiadores) e conquistou os homens mais cobiçados do seu tempo. É possível compensar todos os seus estorvos através do trabalho árduo e do esforço consciente. 

Deixe as compensações negativas
Algumas pessoas acreditam que o mundo não os aceita, acreditam ainda que todos os julgam maneira negativa, então passam reagir a tudo de maneira hostil. Gente assim se torna amarga e agressiva (como os personagens Sherek e Megamente), os outros não irão compreender o porquê de tal comportamento e irão se afastar e hostilizar essa pessoa que irá enxergar nisso a comprovação de que todos o rejeitam.

Existe ainda quem faça questão de se tornar antipático e fingir não se incomodar com que os outros pensam dele (a), quem se esforce para se tornar mais feio descuidando totalmente da aparência dizendo por vezes que quem se importa com isso é superficial. Essas são apenas formas negativas de compensação.

Se o seu desejo é ser aceito e admirado por outras pessoas experimente se tornar alguém agradável e digno de admiração.
  
Crie metas para sua vida
Nada é mais eficaz para curar os sentimentos ou complexo de inferioridade do que se sentir útil e eficiente em alguma coisa. Por isso pessoas com baixa autoestima se tornam muito eficientes no que fazem (Bety a feia) sendo inclusive muito admirados por isso. Estabelecer metas e objetivos pessoais é uma ferramenta eficaz para atingir esse objetivo. Por isso descubra algo que deseja ser ou fazer e torne isso uma meta para sua vida.
·       Como realizar seus sonhos


Não seja tão crítico com você mesmo
Algumas pessoas exigem muito de si mesmas, por vezes querem a perfeição e quando não conseguem isso sentem se as piores do mundo. É claro que isso é um sintoma do complexo de inferioridade, como o indivíduo se sente pior que todo mundo ele tenta compensar fazendo tudo da melhor forma possível, porém esse comportamento contribui para a manutenção do problema.  Como já disse anteriormente a compensação é uma forma de se trabalhar esse problema, mas saiba dosar isso lembrando que ninguém é perfeito.

Corrigindo suas limitações
É possível que você consiga superar ou resolver as suas limitações, hoje em que vivemos em um mundo em que a tecnologia se desenvolveu tanto. Busque por coisas que possam resolver o seu problema, é provável que elas custem dinheiro, então seu objetivo será arrecadar o dinheiro para conseguir o que deseja dessa forma você terá uma meta clara para sua vida. 

Postar um comentário

Blogger
  1. Dr. César, me encaixo perfeitamente na descrição que vc fez: " quem faça questão de se tornar antipático e fingir não se incomodar com que os outros pensam dele (a), quem se esforce para se tornar mais feio descuidando totalmente da aparência e diz que quem se importa com isso é superficial. Essas são apenas formas negativas de compensação. " É aquela postura Rock'n Roll, fico imitando meus ídolos astros do rock (rsrs). Vc disse pra se tornar uma pessoa agradável,etc. mas poderia explicar melhor esse caso em questão ?obrigado! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdoe a demora, porém devido ao meu trabalho, a pós e ao blog, não tenho mais conseguido responder aos comentários.
      Sim, é exatamente sobre isso que estou falando, no fundo o que se faz e fingir que não se importa, ás vezes dá certo, mas a maioria das vezes não. É por isso que raramente se adultos com essa postura "Rock Roll", "Hipster" ou coisa do tipo. Durante a minha adolescência assumi uma postura similar, e percebi que não deixei de querer impressionar as outras pessoas, só mudei de tática.
      Nos artigos:
      http://www.psicologosp.com/2013/10/como-ter-uma-personalidade-magnetica.html
      e
      http://www.psicologosp.com/2013/05/como-fazer-amigos-e-ser-mais-sociavel.html (copie e cole na barra de endereços)
      eu falo o que é necessário para ser considerado agradável em qualquer ambiente (mesmo mantendo uma postura "Rock N' Roll"). Pela forma como você se expressa, você já alguém agradável, somente aprenda a confiar em você...

      Excluir
  2. César,
    E quando o sentimento de inferioridade me faz não conseguir seu eu mesma? Me relacionei com alguém com condições financeiras bem maiores que as minhas e percebo que com ele e com a família dele eu nunca consegui ser eu. As pessoas de uma forma geral valorizam muito o "ter" e por isso eu me sentia mal perto deles. Com os meus amigos consigo ser eu, me sinto bem, fico mais 'solta'. Lembro-me que na minha infância, a diretora do colégio que estudei buscava me fazer sentir inferior sempre. Você acha que é possível mudar isso? Acha que devo procurar me relacionar com pessoas mais humildes e evitar os que tem maiores condições financeiras por causa disso? Faço terapia mas nunca tive coragem de conversar com minha psicologa a respeito disso.

    ResponderExcluir
  3. Olá Cesar, Boa noite. Minha questão é que acho que tenho baixa estima. Não acredito muito no que eu faço. E sou uma pessoa q praticamente não tenho amigos. Saio pouco. A minha sorte é que trabalho numa escola e interaja bastante com as pessoa. Mas já passei por muitas coisas. E já passei e passo algumas situações que um fortíssimo complexo de rejeição. Não tenho importância para as pessoas. Não faço falta para elas. Acho q até para meus pais sou inútil As vezes. Pesso que comente um pouco estas minhas indagações. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Olá Dr. Ultimamente tenho me sentido meio antissocial, não tenho muita vontade de estar com outras pessoas (salvo aquelas que estão dentro de minha casa, meu esposo e meus filhos), isso porque sempre há interesses que eu não quero ficar atendendo. Para algumas pessoas, já fui direta e falei que não quero fazer isso ou aquilo, outras excluí das minhas redes sociais para não ficar fingindo e nem dando espaço para que eu veja ou elas falem algo que de certa forma me atinge, outras afastei mesmo e quase nem vejo, só se for algo que não dá para evitar. Fato é que me vejo meio sem escapatória, como se minha palavra não bastasse, como se o meu sim, não fosse sim, e o meu não, não fosse não, sendo obrigada muitas vezes a ficar inventando desculpas, o que também pesa demais em mim. Estou meio cansada de certas convenções sociais, familiares, sei lá. Só sei que quando me vejo direta ou indiretamente ligada a qualquer situação que eu não quero, minha paciência some e eu chego a ficar com dor nas costas e deprê. Esses dias, meu pai me mandou uma sms pedindo para que eu corrigisse umas atividades para ele. A gente nem se vê, já que ele e minha mãe são separados, ele morava em outra cidade, tem outra família e tal. Eu disse que não podia porque tinha outras coisas para fazer, direta assim. Ele ignorou minha mensagem e falou que queria pronto no sábado. Pois eu visualizei, mas nem respondi. Minha resposta estava dada. No entanto,é lógico que ao ver aquela falta de respeito pelo que eu disse, já foi como uma tortura na minha mente até o sábado seguinte. Não fiz. Mandei uma folha explicando como ele poderia fazer, embora ele seja tão experiente quanto eu na área. São essas situações que estão acabando comigo. De tanta falta de escapatória, a vontade é sumir de perto mesmo, ir morar em um lugar mais afastado de todo mundo, onde ninguém sinta vontade de ir de tão longe, ou então, morrer, mas por enquanto garanto que não tenho coragem para um suicídio. Vontade de colocar uma corda no pescoço nessas horas tenho, mas não coragem para cometer o ato, pelo menos enquanto consigo me segurar de certa forma. Enfim, vejo-me rodeada de pessoas abusadas: mãe, pai, irmãos, colegas de faculdade. Fica difícil assim, porque fazem parte de meios onde tenho que estar presente... Poxa, o senhor tem alguma dica do que posso fazer para melhorar minha situação, pra não sentir tanto esse peso?

    ResponderExcluir