Ads (728x90)

.
Cesar Augusto S. Borella. Tecnologia do Blogger.

Como saber se alguém está mentindo? e como fazê-lo confessar?

Quantas vezes você já foi enganado por pessoas que você depositou toda a sua confiança? Imagina quantas frustrações e prejuízos poderiam ser evitados se você pudesse saber quando alguém está mentindo para você? Infelizmente isso não é tão simples e não existe um método 100% seguro para detectar uma mentira, porém irei ensinar algumas técnicas que podem te ajudar na hora de decidir se o seu interlocutor está mentindo ou não e também apresentarei algumas técnicas para tentar desmascarar uma mentira.

Preparando o terreno
        É muito mais difícil pegar uma mentira quando o enganador está preparado, por isso o ideal é pegá-lo de surpresa.

        Uma postura autoritária e agressiva pode intimidar muito o interlocutor fazendo com que o inocente pareça ser culpado. Entretanto quem tem algo para esconder quando se depara com essa postura já se enche de defesas. Tente parecer calma (o) e amistosa (o) quando quiser tirar a verdade de alguém.

        É muito mais fácil uma pessoa falar a verdade quando ela acredita que não vai haver represálias, por isso mantenha ao máximo um clima de tranquilidade e permissividade.

        Se possível aborde o mentiroso em um momento de descontração quando vocês dois estiverem em meio a uma conversa amistosa.

        Insinue ao invés de acusar: se fizer perguntas diretas e fechadas (do tipo que se responde sim ou não) estará facilitando para que mentiroso continue mentindo. Dê preferência por perguntas em que o sujeito precisa falar mais, isso vai te dar mais material para analisar.

 
Leia também
·         Técnicas de manipulação

Linguagem corporal de quem está mentindo
    É possível notar na forma como a pessoa se comporta se ela está mentindo ou não, isso é o que chamamos de interpretar a linguagem corporal, abaixo vou listar alguns sinais corporais emitidos quando se não se está falando a verdade:

Corpo no geral: pode parecer contraído e reprimido, braços e perna reforçam essa aspecto.

Olhar: o mentiroso evita olhar diretamente nos olhos da outra pessoa, inconscientemente ele acredita que se o fizer ele será imediatamente desmascarado. Nos casos de contato visual os olhos do mentiroso tendem a se mover, geralmente ficando em uma posição acima a direita do globo ocular.

Cabeça e pescoço: tendem a ficar viradas de modo que o rosto não fique na direção do interlocutor. Os movimentos podem parecer mecânicos e incomuns.

Mãos e braços: podem fazer gestos que sugerem a vontade de tampar o rosto. Como já dito podem demonstrar movimentos que transmitam retraimento ou tentativa de proteger o corpo (braços cruzados).

Pés e pernas: pés apontam em direção à saída como se estivessem pronto para fugir do ambiente.

Boca: morder ou lamber os lábios os lábios. 

Comportamento de quem está mentindo   

        Além dos sinais corporais involuntários há também os comportamentos próprios de pessoas que estão mentindo, esses são sinais mais claros e fáceis de perceber.

Demorar muito para responder: mostra que se está intentando a resposta.

Repetir as suas palavras: serve para ganhar mais tempo para pensar, exemplo:

·         Pergunta: Aonde você foi ontem à noite?
·         Mentiroso responde: Aonde eu fui ontem à noite?.

 Dar respostas ecos:
·         Pergunta: Você usou o carro?
·         Mentiroso responde: Não! Eu não usei o carro.

Tiques diferentes: apresentar tiques que eles não possuem normalmente: coçar o nariz, piscar muito os olhos, esfregar as mãos, indicam nervosismo e incomodo com o tema a qual se está falando.

Esforço para mudar de assunto: “por que você está me perguntando isso”, “Lá vem você de novo com essa história” etc. Demonstração de alívio quando consegue mudar de assunto.

Respostas emocionais inadequadas: Sorrir quando a situação não cabe. Dando uma noticia que deveria ser triste ou neutra, ficar sério ou torcer a boca dizendo que gosta de alguma coisa.

Dar respostas emocionais parciais: sorrir, mas permanecer com o olhar sério etc.

Parecer pouco convicto: responder de modo que não pareça muito convencido com que está falando, ter gestos e movimentos lentos e poucos vigorosos. Principalmente se está sendo acusado de alguma coisa.

Responder agressivamente: quando uma pessoa é acusada injustamente ele pode sim reagir de maneira agressiva (principalmente se o acusador for agressivo), porém ela tende a limitar a agressividade a rudeza da voz e responder racionalmente as acusações. O mentiroso tende a agredir o acusador e não responder as perguntas racionalmente.

Contradições: essa chega a ser quase a prova da mentira, o mentiroso diz uma coisa e depois fala outra totalmente diferente e contraditória.

Não acuse ninguém injustamente:
         Antes que alguém leia o que eu acabei de escrever acima e vá julgando outras pessoas com base em provas mínimas eu sugiro que considere que os sinais podem ser confundido por olhares menos experientes:

Pensar demais para responder: inventar uma mentira convincente é algo que demanda tempo, por isso quem está mentindo demora mais para dar uma resposta do que alguém que está dizendo a verdade.

Por outro lado: Em contra partida a pessoa pode estar simplesmente tentando se recordar dos fatos que lhes são perguntados.

Qual a diferença? Nesse caso é necessário considerar a quanto tempo faz o ocorrido e se ele é de relevante para a pessoa que foi perguntada, quanto mais antigo o fato e quanto menos relevante mais será difícil ser lembrado. Um fato recente e importante tende a ser lembrado com prontidão e a demora em responder pode ser um indicador de mentira.

Falta de cooperação ou interesse em responder: tentar desviar de um assunto ou dar respostas curtas e superficiais é um sinal claro de que se tem algo a esconder.

Por outro lado: Uma pessoa cansada ou estressada pode apresentar o mesmo comportamento. Se o sujeito já respondeu perguntas semelhantes diversas vezes (como “onde você estava até agora” perguntado por um cônjuge ciumento) também pode ter a mesma reação ao responder.

Qual a diferença? A diferença é bem obvia, é necessário analisar se o sujeito está descansado e não está saturado de responder as mesmas perguntas. O ideal é que ele (a) seja questionado em um momento em que esteja mais relaxado e descontraído, quando alguém se sente à vontade a probabilidade de dizer a verdade é maior.

Incoerência ou falta de lógica: como disse anteriormente inventar uma mentira não é algo tão simples e uma inverdade criada às pressas costuma apresentar muitas incoerências e inconsistências como, por exemplo:
·         Não ter tempo necessário para determinada coisa acontecer
·         Não existir apoio de outra pessoa,
·         O sujeito não ser apto ou não ter o habito de fazer tal coisa
·         Não haver motivação para tal
·         Não ter o dinheiro ou recursos necessários

Por outro lado: não se lembrar de um fato com clareza ou não ter se atentado a alguns detalhes podem levar o sujeito a supor o que ele não sabe, daí surgiriam as incoerências.

Qual a diferença? Na mentira as inconsistências são convenientes ao mentiroso, elas servem para esconder os detalhes que ele quer omitir, se ela lhe for sugerido outra explicação ela vai reagir de forma defensiva.

Sinais comportamentais: a Teoria da Mente propõe que é possível fazer deduções sobre questões da subjetividade a partir de comportamentos observáveis. Essa teoria se mostra verdadeira.

Por outro lado: No que tange a mentira faz se necessário algumas ressalvas. A maioria dos comportamentos associados ao ato de mentir está correlacionada à ansiedade e ao desconforto e estes dois podem estar sendo provocados pela própria inquirição e julgamento e não por existir algo para ser escondido. Uma pessoa tímida ou amedrontada que está falando a verdade pode mostrar muito mais sinais de ansiedade e desconforto do que alguém que esteja mentindo, mas que possui uma personalidade calma e segura.

Qual a diferença? A diferença se mostra quando os sinais da mentira aparecem ou se tornam mais intensos nos momentos em são feitas perguntas relacionadas a suspeita. Ainda assim existe a possibilidade do sujeito estar simplesmente intimidado com a acusação e não ser culpado.

As maneiras mais eficientes de descobrir se alguém está mentindo

Obter o máximo de informação: quanto mais a pessoa falar mais você vai poder identificar sinais de que ela está mentindo ou não. Vai conseguir perceber melhor incoerências e inconsistências nos argumentos apresentados. Quanto mais a pessoa falar mais fácil será ela cair em contradição (afirmar um coisa e depois outra contraria) que é um indício inegável de mentira.

Confiar nos seus instintos: Essa é ainda uma das mais eficazes técnicas de detecção de mentiras (pelo menos para leigos). O cérebro humano recebe milhões de estímulos por segundos e processa a maior parte deles sem que haja necessidade de passar pelo crivo da mente consciente. E a linguagem corporal é faz parte desses estímulos, quando falamos algo para uma pessoa não fazemos isso apenas com a boca, mas também expressamos as nossas ideias e emoções através de gestos e expressões faciais.

     Podemos mentir com as palavras, mas o nosso corpo nos trai (não mente com nossas palavras) e essa contradição é percebida inconscientemente pelo nosso cérebro. Não nos chega a mensagem nítida de que o outro está mentindo porém temos a sensação de que algo está errado.

Como fazer alguém dizer a verdade: uma séria de técnicas

      Aqui apresentarei algumas técnicas para fazer uma pessoa confessar a verdade, elas são a título de curiosidade e também para que você aprenda a se defender de quem quer tirar segredos de você. Se por acaso decidir usá-las com outro objetivo fique por sua própria conta.

Técnica 1: indução
        Consiste em fazer a pessoa falar a verdade aos poucos, sendo que essa pessoa acredita que você já sabe de tudo e que você não a condena pelo que ela fez.

Exemplo: imagine que uma mãe desconfia que seu filho faltou à escola para ir à casa de um determinado amigo. Se essa mãe perguntar de modo direto, o filho irá negar. Pela indução ela falaria assim: “você conversou com o fulano (nome do amigo) hoje não é?”. O filho responderá que sim, afinal não há nada de errado em ver o amigo, e pela entonação da frase a mãe está mais afirmando do que perguntando. Isso pode parecer pouco, porém em alguns casos (se o amigo não estuda na mesmo escola ou horário) pode ser muito. Além disso, se continuar a fazer perguntas utilizando à mesma técnica, você irá conseguir uma confissão completa.

 Técnica 2: salvação ou castigo
        Consiste em fazer a pessoa acreditar que existe um perigo ou punição iminente sobre ela por conta do que ela está escondendo. Ela precisa acreditar também que você é único que pode salva-la, contanto que ela confesse.

Exemplo: Vou dar um exemplo pessoal. Na adolescência trabalhei em uma assistência eletrônica. Certa vez um colega de trabalho foi suspeito pelo furto de um videogame. Fui incumbido pelo chefe a recuperar o tal videogame (jamais aceitaria essa missão hoje em dia). Para arrancar a confissão falei para o suposto ladrão que o videogame era de um sujeito “perigoso” e que o dono da eletrônica havia dito para o dono do videogame que ele, o suspeito, era quem tinha roubado o aparelho, mas se ele me devolvesse o videogame eu limparia a barra dele com o “sujeito perigoso”. É claro que esta artimanha deu certo.

 Técnica 3: O errado é bom
        Consiste em fazer o mentiroso acreditar que o que ele fez de reprovável é na verdade aceitável e até mesmo é motivo de orgulho.

Exemplo: um pai desconfia que seu filho adolescente esteja bebendo escondido, e ele desaprova essa atitude. Porém ao invés de confrontar o filho afrontar o filho diretamente com acusações ele pode se utilizar dessa técnica dizendo algo assim: “na sua idade eu participava de varias festas e bebia muito. Em minha opinião beber é uma coisa de macho!”. Esse discurso faz com que o filho se veja em um ambiente seguro para falar a respeito das bebedeiras.

Técnica 4: Insinuação
     Consiste em fazer uma pergunta de forma que ela não pareça uma acusação.

Exemplo: uma mulher suspeita que seu namorado esteja lhe traindo. Utilizando esta técnica ela falaria algo assim: “você ficou com alguém depois que nós estamos juntos?” é claro que o namorado irá negar, porém ele ficará muito menos “armado” do se fosse feita uma acusação. É provável que ele queira saber quem te contou isso, e demonstrar indícios de que está mentindo ou tentar mudar de assunto o mais rápido possível. Se por outro lado ele continuar falando do tema dando uma posição constante da sua fidelidade é provável que ele esteja falando a verdade. 

Técnica 5: Expondo uma situação semelhante
       Consiste em expor uma situação semelhante a que você desconfia que esteja acontecendo para testar a reação do mentiroso.


Exemplo: um selecionador de uma empresa desconfia que os dados passados por um determinado candidato não sejam verdadeiros. Utilizando essa técnica o selecionador diria algo assim: “acabei de entrevistar um aspirante a esse cargo que colocou em seu currículo alguns dados que não eram verdadeiros”. Nessa situação o candidato pode simplesmente ficar nervoso e tentar justificar a atitude do outro suposto aspirante. Essa identificação com sujeito que fez algo errado, pode ser um indício de que ele se sinta culpado, por ter feito a adulteração dos seus dados.

Postar um comentário

Blogger
  1. Dicas muito interessantes, úteis e bem detalhadas .ajudou muito.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pelas dicas, úteis e precisas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado sua opinião é muito importante!!!

      Excluir
  3. obrigada ,suas explicações me ajudou muito .

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o assunto! gostei bastante! Parabéns :D
    ótimo psicologo!

    ResponderExcluir