Como curar os Traumas psicológicos?

     O conceito de trauma psicológico já foi popularizado e hoje em dia é conhecido por leigos e profissionais de outras áreas. Infelizmente, junto com a popularização veio a banalizado e hoje em dia muitas vezes o termo é tratado com desdém. Entretanto o trauma psicológico é algo real e seus efeitos podem ser devastadores. 

O que são traumas Psicológicos?

Traumas psicológicos são sequelas emocionais deixadas por uma experiência que causou imenso dor e sofrimento ao traumatizado, tal experiência (também chamada de evento traumático) é de tal magnitude que afetam profundamente o comportamento, pensamento e sentimentos do indivíduo que fará de tudo para evitar reviver ou relembrar qualquer fato ligado ao que lhe traumatizou.

olho escorrendo uma lágrima, borracha apando a lágrima

 
Sintomas de traumas psicológicos

·       Reviver o trauma nos sonhos ou nos pensamentos durante a vigília (acordado)
·       Comportamento de evitar coisas que lembrem o trauma
·       Hiperexcitação (estado agitado constante)
·       Resposta de sobressalto exagerada (sustos exagerados por motivos banais)
·       Dificuldades em dormir
·       Irritabilidade ou surtos de raiva
·       Isolamento ou Afastamento do convívio social
·       Hipervigilância (como se algo estivesse sempre espreitando para atacá-lo)
·       Desinteresse pelo próprio futuro (trabalho, estudo, casamento)
·       Depressão
·       Ansiedade
·       Dificuldade de concentração e aprendizagem

Quais são os eventos considerados traumáticos?

De maneira geral os traumas estão relacionados a situações de violência e medo:
§  Agressões físicas
§  Assaltos
§  Estupros, violência sexual
§  Guerras,
§  Maus tratos (durante a infância, velhice, convalescência etc.)
§  Diversas outras situações de estresse extremo e intenso desgasto emocional.

No caso de crianças, há situações em que elas não vivenciaram a situação traumática, mas apenas de ouvir um relato ou convivendo com uma pessoa traumatizada desenvolveram os mesmos sintomas.

Ao contrário do que se acreditava, pesquisas recentes apontam não existem fatores traumáticos universais, isso por que cada pessoa compreende e percebe a realidade muito de uma forma muito particular, sendo assim o que é entendido como traumático para alguém pode não ser para outra pessoa.


A dificuldade em aceitar pensamentos e emoções ligados ao trauma

     Sentimentos pensamentos trazidos pelos traumas podem ser muito contraditórios uns com os outros e antagônicos aos valores que a sociedade e consequentemente o traumatizado acredita que deveria sentir.

É o caso de crianças que foram vítimas da violência dos pais, uma parte dos sentimentos está ligada à raiva e revolta pelas agressões sofridas e outra parte está ligada ao amor que sentem pelos genitores (é da nossa natureza o amor pelos pais) por vezes essa criança vai se sentir culpada por ter sentimentos de ódio em relação aos progenitores (afinal você deve amar e respeitar aos seus pais, não é?) existe ainda a possibilidade dela se culpar por sentir amor por esses pais que obviamente não merecem ser amados.

Em algumas situações surge na criança o sentimento de culpa, como se ela fosse responsável pelo comportamento dos pais, como se ela de alguma forma tivesse provocado tal atitude por parte deles (muitas vezes isso é dito a criança).

É possível parar as lembranças ruins?

Será possível interromper esse vídeo que passa frequentemente na sua cabeça, e sempre te faz sofrer de novo as coisas que deseja esquecer? Sim, você é dono da sua mente, é você quem escolhe no que quer pensar. Suas lembranças ruins parecem tão reais por que você destina a sua atenção e dedica tempo reconstruindo-as.

Devo lembrar que isso não é algo espontâneo, tão pouco consciente, porém você faz isso toda a vez que começa a dar ouvidos aos seus pensamentos preocupantes relacionados ao trauma. Não quero com essas palavras te culpar, mas de dar a consciência que tens nas suas mãos a cura do seu problema.

8 atitudes para superar um trauma


1. Desligando as lembranças do trauma

Traumas ganham força toda vez que são lembrados (revividos) por isso é necessário que se quebre o ciclo das revivências.

É preciso que você rejeite e pare as memórias ruins assim que elas surgirem na sua mente, pelo menos até que você capaz de elaborar e resignificar essas imagens e sensações.

Existem alguns exercícios criados para forçar os pensamentos ruins saírem da zona consciente da mente:


2. Deixando os traumas para trás

É comum que quando o psicólogo faça a pergunta: “o que você sente quando se lembra disso” a paciente vítima de trauma responda “eu não sei” isso por que experiências traumáticas costumam gerar uma confusão ou mistura sentimentos e emoções.

Pensamentos e sentimentos ligados à raiva e culpa, sensação de impotência e desamparo e diversos outros que surgem na situação de traumas. Faz se necessário reconhecer, entender e aceitar cada um desses sentimentos e emoções.

3. Perdoando

     A mágoa e o rancor tornam as pessoas reféns do passado, fazendo com que algo que aconteceu há muito tempo seja eternizado. Quando se fala para o paciente sobre a questão do perdão ele se opõe como se a mágoa forma de vingança, de revanche.

Na verdade, o único prejudicado com as mágoas é você mesmo. Libere perdão e se livre dos fantasmas do seu passado, esse não é um processo fácil e tem muita coisa em jogo, mas é necessário compreender a importância que esse passo tem.


4. Reconstruindo o passado

     Não existe dentro nossa cabeça um aparelho de DVD que reproduz perfeitamente o que gravado em certo tempo da nossa vida. Nossas memórias são reconstruções do nosso passado e são “coloridas” pelos sentimentos e pela compreensão que temos dele no momento presente. Se quiser se certificar disso basta se lembrar do primeiro fora que levou na sua vida, durante um tempo foi uma lembrança dolorosa, mas agora que você já é mais maduro (a) pode até achar engraçada essa lembrança.

  
5. Escreva sua experiência

As revivências costumam carregar consigo sentimentos confusos e conflitantes, aliás são esses sentimentos somados a incapacidade de compreender o que se passou os responsáveis pelo traumatizado torna-se um prisioneiro do passado.  Provavelmente, junto com as memorias você deve sentir:

·       Sensação de que de certa forma o que aconteceu foi culpa sua ou que mereceu isso
·       Vergonha do aconteceu ou de não conseguir esquecer
·       Raiva e desejo de vingança
Enquanto você não elaborar esses pensamentos eles iriam se repetir, o que não pode ser dito não é esquecido (por isso as pessoas fazem analise).

Escreva os seus pensamentos e memorias relacionados ao trauma, vê-los em uma folha vai te ajudar a compreendê-los melhor.


6. Converse com alguém

Sei que sua maior vontade é esquecer o seu trauma emocional, por isso acredita que conversar sobre ele só iria atrapalhar, ou então pensa que ninguém se interessaria em ouvir o seu problema.

A verdade e que a opinião de outra pessoa pode te ajudar a mudar a forma como você encara essa experiência.

É possível também que você não se lembre perfeitamente do que aconteceu, que seu trauma volte como flash indistinguíveis entre imaginação e realidade. Ao conversar com outra pessoa você irá compreender melhor o seu problema.


7. Continue sua vida

Não pare de realizar suas tarefas do cotidiano por conta do trauma, continue trabalhando e produzindo. Quanto mais tempo ocioso você ficar maiores são as chances de você reviver as lembranças ruins.

Manter-se produtivo também vai te ajudar a se sentir bem consigo mesmo e a combater a baixa autoestima e depressão que comumente seguem os traumas psicológicos.
  
8. Enfrente seus medos

O trauma é uma experiência limitadora por fazer com que o sujeito evite ir a lugares e realizar tarefas que lhe lembrem a experiência traumática. Isso é algo comum e natural durante algum tempo, mas se esses sentimentos se tornam muito fortes eles passam a te impedir de fazer as coisas que gostaria e de viver sem restrições. O trauma não deve te impedir de tentar coisas novas, te impedir de fazer o que gosta ou precisa realizar.


Vencendo os medos gerados pelos traumas


Um passo de cada vez

Não tente forçar a sua melhora de uma vez, isso pode gerar situações catastróficas, ao invés disso dívida os seus desafios em pequenos passos.

Fica difícil colocar aqui um exemplo que englobe bem todos os traumas, mas o conceito é que você se aproxime do seu medo inicialmente em uma posição segura e ir diminuído esta distância gradativamente até que o temor seja totalmente controlado. Por exemplo, alguém que teme voltar a determinado lugar:

1.  Faça o trajeto que te leve a esse local
2.  Fique o mais próximo que conseguir desse lugar
3.  Aproxime-se um passo a mais cada vez que voltar
4.  Toque a porta
5.  Gire a maçaneta da porta
6.  Entre por alguns estantes

A cada etapa bem-sucedida você terá mais confiança para realizar a próxima, caso não consiga volte para a anterior e a repita até se sentir pronto para a próxima. O importante é que não se dê por vencido.

Imagine-se tendo sucesso

Traumas psicológicos, principalmente os de infância deixam gravados em nossas mentes a ideia de que não somos capazes, de que não merecemos ou não conseguiremos fazer certas coisas.

Por esse motivo precisamos apagar essa programação, a forma mais eficaz e menos agressiva de fazê-lo é se imaginando tendo sucesso:

·       Imagine-se diante do seu medo
·       Conceba cada passo envolvido
·       Veja-se lidando bem com cada desafio e situações relacionadas
·       Veja tudo o que conseguiu por superar seu medo

Torne tudo o mais realista possível e pratique isso sempre que puder. Não é algo mágico e nem fácil, porem esse exercício vai fazer com que você sinta que é capaz de ser feliz. 


Pense mais positivo

Talvez sua cabeça esteja cheia de pensamentos do tipo: você não vai conseguir, isso não vai dar certo, você nunca vai ser ninguém etc.

Todos esses pensamentos criam mais ansiedade e essa faz você sentir taquicardia, tontura, suor frio e todos os sintomas que você diante dos seus medos. Substitua esses pensamentos por:

·       Eu posso fazer isso
·       Vou voltar a esse lugar
·       Eu consigo

Repita essas coisas para si mesmo até que eles se tornem verdades internas. Quando você muda a forma como pensa, consegue mudar o mundo ao seu redor, não existe nada de místico nisso, é só a mais pura realidade.

 
É possível esquecer ou mudar o passado?

     Essa é uma pergunta que frequentemente recebo e a resposta é: o seu passado é parte de você, ele fez você se tornar quem você é hoje, junto com as suas lembranças ruins vieram as boas aprendizagens coisas que ajudaram a moldar o seu caráter então por que por que perder tudo isso?

O papel da psicoterapia nos casos de trauma não te fazer esquecer o passado, mas ajudar a compreendê-lo de outra forma, resignificar a sua vida afim que você possa ser um resiliente.

Melhorando com os traumas


O que é resiliência?

Resiliência é um termo emprestado da física (assim como estresse) que indica a capacidade que alguns materiais possuem de melhorar a sua qualidade após serem submetidos a situações extremas.

Resiliente seria alguém capaz de se tornar uma pessoa melhor depois de uma situação traumática. Como o pai (ou mãe) que após o assassinato de seu filho ao invés de se entregarem ao sofrimento e dor transformam o trauma em um aprendizado para ajudar outros pais que passam pela mesma situação.

Existem muitos exemplos de homens e mulheres que venceram as adversidades da vida para se tornarem pessoas de sucesso, entretanto o mundo não efeito de pessoas resilientes essa é ainda uma qualidade rara, mas que pode ser aprendida ou desenvolvida na psicoterapia.

Existe cura para os traumas?

Psicoterapias mostram ótimos resultados no tratamento de traumas, ajudam o paciente a compreender e a ressignificar as experiências traumáticas. No tratamento de traumas o terapeuta ajuda o paciente a desenvolver mecanismos de manejo das crises, socializa-lo novamente e dessensibilizar das coisas que lembram o trauma.