O que é Depressão?

   

Depressão ou Transtorno Depressivo Maior ou ainda depressão maior é uma doença que afeta principalmente o humor psicológico, entretanto ela não se restringe a isso, mas afeta a saúde do deprimido por completo, o corpo, os pensamentos e a forma de compreender e se relacionar com o mundo.
    A depressão faz com que o individuo seja acometido por uma sensação de tristeza profunda, falta de energia, desânimo e desinteresse. Dependendo do grau da depressão até mesmo as coisas que pessoa mais gostava de fazer se tornam cansativas e enfadonhas.
   O que é humor psicológico? É uma espécie de “energia” que serve para realizar as atividades do cotidiano. Alguém com o humor deprimido (baixo) fica parecido com um brinquedo com baterias fracas, anda de vagar, fala pouco, apresenta baixa auto-estima e baixa autoconfiança. Já uma pessoa com humor muito elevado (mania) se sente cheio de energia, autoconfiança alta , o amor próprio vai às alturas e por vezes se sente onipotente (isso não é necessariamente bom).
 Qual a diferença entre a depressão e a tristeza comum?
      A tristeza comum geralmente tem um motivo claro e assim que ele é resolvido ou se consegue aceitá-lo a melancolia vai embora.  A tristeza comum costuma ser passageira e transitória.
      Na depressão o paciente habitualmente não consegue lembrar o que motivou a angústia.  A depressão é mais duradoura e os sintomas ou sinais são mais intensos: insônia, falta de apetite, perda da libido entre outros. 
Estou com depressão? Como é feito o diagnóstico?
    O diagnóstico de depressão não é algo tão simples, isso por que ele depende do relato do paciente, entretanto existem outras doenças que apresentam sinais semelhantes, como por exemplo, a anemia e problemas neurológicos. Por isso ao ser informado de sintomas relacionados à depressão o médico psiquiatra ou neurologista comumente pede exames de sangue, eletroencefalograma e tomografia do crânio. 
   Tanto o médico quanto o psicólogo podem dar esse diagnóstico, no caso do psicólogo, o mais adequado é encaminhar ao médico (geralmente o psiquiatra) para que outras hipóteses de adoecimentos sejam descartadas. 

 Quais as causas da depressão?

     De modo geral a depressão está associada a um desequilíbrio químico no cérebro causado por uma baixa quantidade de neurotransmissores como a serotonina noradrenalina , tal desequilíbrio seria herdado geneticamente, isso explicaria por que existe uma incidência maior de sintomas depressivos em filhos de pessoas que sofrem dessa doença.
    Hoje dia considera-se que a depressão (assim como outras doenças) seja uma combinação de diversos fatores biológicos, psicológicos e ambientais. Passar por um momento delicado da vida, viver em um ambiente desfavorável e não possuir habilidades para lidar com os problemas do cotidiano são causas de depressão tanto quanto fatores bioquímicos.  Mesmo a incidência de depressão em filhos de pais deprimidos pode ser motivada pela aprendizagem e influência do ambiente.

Sintomas de depressão


  1. Desânimo
  2. Diminuição dos movimentos, em alguns casos o doente pode ficar por dias sem levantar da cama
  3. Insônia ou sono excessivo
  4. Perda ou aumento do apetite
  5. Diminuição do desejo sexual
  6. Disfunção erétil (impotência) e/ou diminuição do desejo sexual
  7. Voz baixa e/ou muito lenta assim como diminuição do desejo de falar
  8. Diminuição da atenção e concentração
  9. Choro fácil e frequente
  10. Sentimentos de melancolia
  11. Sentimentos de tédio e aborrecimento
  12. Apatia (indiferença afetiva)
  13. Pessimismo
  14. Sentimento de culpa
  15. Pensamentos de morte e suicídio
  16.  

A depressão sempre se manifesta da mesma forma?
    Não! Enquanto em algumas pessoas a depressão causa sono excessivo em outras ela causa insônia, alguns perdem o apetite outros passam a comer demais, algumas pessoas começam a se movimentar menos e a falar pouco, outros já se apresentam agitados e falantes. O que eles têm em comum são os sentimento de vazio e tristeza.  
Quais são as pessoas mais propensas a essa doença?
    A depressão pode aparecer em qualquer pessoa independentemente de classe social, sexo e idade (existe depressão infantil). Ainda assim ela é mais comum em mulheres do que em homens, alguns pesquisadores creditam isso às oscilações hormonais do sexo feminino. Idosos também são mais propensos a esse problema, estima-se que 15% dos idosos brasileiros sofrem com esse mal. Alguns fatores ou características são comuns em pessoas deprimidas e por isso quem os apresenta está no chamado “grupo de risco”:

  1. Solidão
  2. Estresse
  3. Conflitos pessoais ou conjugais
  4. Problemas financeiros
  5. Desemprego ou subemprego
  6. Problemas de saúde
  7. Histórico familiar de depressão
  8. Histórico de abuso ou negligencia na infância 

Depressão tem cura?
    Em alguns casos sim, porém existem outros em que se faz necessário um acompanhamento constante, porém com o tratamento adequado pode se levar uma vida normal.

Qual o tratamento?
    O tratamento mais eficaz é a combinação de psicoterapia e medicamentos antidepressivos. Quando a principal causa da depressão são conflitos pessoais ou interpessoais ou ainda dificuldade em lidar com os problemas da vida, a psicoterapia mostra melhores resultados, entretanto ela não é um substituto para os remédios. 

Remédios e depressão

Efeitos adversos
   Medicamentos antidepressivos costumam trazer efeitos colaterais extremamente incômodos, por isso muitos pacientes se recusam em usá-los. De modo geral esses efeitos costumam passar depois de um tempo, assim que o organismo se adapta a eles. O psiquiatra que receitou o medicamento deve ser informado de todos os efeitos que eles estão tendo, dessa forma ele poderá ajustar a dose e se for o caso trocar a medicação. Remédio para depressão é coisa muito séria e deve ser tomado apenas sob a prescrição de um médico.
 
Eles causam dependência?
   O uso prolongado de antidepressivos não causa dependência orgânica. O que por vezes acontece é que as pessoas se escondem atrás da medicação e não enfrentam seus problemas. Dessa forma as causas da depressão continuam existindo após o fim do tratamento medicamentoso. Por isso a psicoterapia se faz necessária, nela o paciente aprende a conhecer a si mesmo, elabora seus conflitos, e aprende a controlar as emoções e pensamentos que levam a depressão. Com essa combinação a dosagem dos remédios pode ser gradualmente diminuída e os sintomas demoram mais para voltar.

Estou tomando antidepressivo e não estou sentindo melhora
    Em média demoram cerca de vinte dias para que os antidepressivos mostrem o resultado desejado. Isso é claro se forem utilizados da maneira correta, seguindo a dosagem e os horários fixados. Não existem medicamentos mágicos que com uma única dose curem uma doença, remédios que funcionam assim são aqueles que mascaram sintomas como os analgésicos e antipiréticos.

Medicamentos para depressão (antidepressivos)



Tipo

IMAO

TRICÍCLICOS

 ISRSS

ISRNS

IRDN

Principio Ativo

Tanilcipromina

Amitriptilina ,Clomipramina, Imipramina, nortriptilina

Fluoxetina, Paroxetina, Sertralina, Flovoxamina

Desvenlafaxina

Duloxetina

Venlafaxina

Bupropiona

Nome Comercial

Parnate

Tryotanol, Anafranil , Tofranil, Pamelor

Prozac

Aropax

Zoloft

Luvox

 Pristiq

Cymbalta 

Efexor

Wellbutrin

Atuação

Inibe (I) a ação da monoaminoxidase (MAO), enzima que diminuí a oferta da noradrenalina.

Ajudam a regular a quantidade de serotonina e noradrenalina.

Inibem a recaptação da serotonina  dessa forma fazem que a oferta dela seja maior.

 São inibidores seletivos da recaptação da serotonina e da noradrenalina

Inibe somente a recaptação da noradrenalina não tendo efeito sobre a serotonina 

Efeitos colaterais

Alterações do sono, disfunções sexuais

Estado de confusão mental, taquicardia, zumbido, tremores, ganho de peso  hipotensão e hipertensão 

Náuseas, vômitos, diarreia, ansiedade, insônia, disfunções sexuais.  

Tonturas, náuseas, sonolência, ansiedade disfunção sexual

Irritabilidade, perda de peso, boca seca, insônia, dor de cabeça  
         Fonte: Compendio de psiquiatria Kaplan & Sadock e bulas dos medicamentos

 

Psicoterapia para depressão

     Existem muitas formas de psicoterapia, assim como existem muitas linhas na psicologia. A eficácia de cada uma delas varia conforme a necessidade do paciente. Aqui gostaria de listar as psicoterapias consideradas mais eficazes no tratamento da depressão segundo a APA (Associação Americana de Psiquiatria)


Terapia de grupo:


Terapia Cognitiva

Comportamental:


Psicoterapia breve

        Encontros semanais de pessoas com o mesmo tipo de problema. O interessante desse formato de terapia é a possibilidade de compreender que existem outras pessoas na mesma situação e trocar experiências. Além de contar com as intervenções do psicólogo moderador do grupo.


     Trabalha com o conceito de que os pensamentos (cognição) possuem influência direta sobre as emoções e os transtornos mentais. Nela o terapeuta ajuda o paciente identificar as causas da depressão e fornece mecanismos e técnicas para que o paciente consiga controlar as crises e os sintomas sozinhos.


Nas terapias convencionais o paciente trás a analise qualquer coisa que ele quiser. Já a psicoterapia breve tem seu foco predeterminado (divórcio, luto, etc.) e não se desvia dele até o final.  Ela costuma ser um pouco mais agressiva que outros modelos e seu tempo de duração também é pré-fixado

(geralmente 20 sensações)

E as psicoterapias analíticas?
     As psicoterapias analíticas tais como a Psicanálise, Psicologia analítica, Fenomenologia existencial entre outras. São extremamente eficientes como formas de autoconhecimento e aperfeiçoamento pessoal, entretanto seus benefícios são em longo prazo, o que dificulta o aproveitamento de quem tem um problema urgente como é o caso da depressão.  
 

Cesar Augusto S. Borella. Tecnologia do Blogger.

Quem sou eu

Copyright © Psicologo.com

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DOS ARTIGOS DO PSICOLOGO.COM SEM A AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DO AUTOR