Meu filho não quer ir à escola: O que eu posso fazer?

 Meu filho não quer ir à escola

       

O que e fazer quando o seu filho simplesmente não quer mais ir à escola?  Por que isso está acontecendo e como resolver esse problema? As causas podem ser muitas e para cada uma delas existe uma explicação e solução específica, por essa razão não adianta generalizar, leia atenciosamente cada possibilidade e tente identificar em qual delas o seu filho se encaixa:

Falta de motivação: No Brasil a ideia do sucesso através dos estudos não é algo muito difundido, principalmente entre os mais humildes acredita-se que apenas o futebol, a música e a loteria são capazes de transformar vidas.  Diante disso os jovens acabam acreditando que estudar não os levará a lugar nenhum. Muitos estudantes não conseguem associar o que aprendem na escola a coisas que irão usar na sua vida profissional.
  
O que fazer? Converse com o seu filho e lhe diga que quanto mais estudo tem uma pessoa melhor remunerada ela é.  Acompanhe a vida escolar dele (a) incentive o estudo no artigo Como ajudar meu filho a tirar boas notas?

Dificuldade no aprendizado: Existem diversos problemas que levam a criança ou adolescente a não conseguir aprender o que ensinado na escola. Problemas como dislexia, TDAH e discalculia tornam muito difícil que um jovem consiga dominar as matérias escolares.  Não é raro alunos que sofrem desses problemas serem tratados como “burros”, desprezado por maus professores e humilhados pelos colegas de sala.  Se você acredita que não é capaz de aprender nada que razão teria para ir à escola?

O que fazer? Se perceber que seu filho tem muita dificuldade em apreender em ler, não consegue fazer contas ou simplesmente é incapaz de prestar atenção em algo, procure por um (a) psicopedagogo (a). 

Leia também
Como lidar com crianças hiperativas 
Como disciplinar filhos

Problemas de saúde:

Miopia e/baixa visão, surdez e baixa audição fazem com que a criança ou o adolescente não entenda o professor e demais alunos, não compreendam o sentido da escola e acabem por se isolar ou sendo isolado pelos demais. O problema se mascara porque a criança ou adolescente geralmente não tem consciência de que enxerga ou ouve mal.

O que fazer? Obviamente o melhor a fazer é procurar um médico e avaliar as condições de saúde do seu filho.

Bulliyng: esse é um tema que se tornou forte na mídia nos últimos anos. Mas antes de você dizer que isso já acontecia no seu tempo, saiba que as “brincadeiras de mau gosto” de hoje são bem piores das que ocorriam antigamente, em alguns casos chegam a assassinato e suicídio. Um dos sintomas de quem está sofrendo bullying é justamente evitar ir à escola.
O que fazer? Eu escrevi um artigo falando sobre esse tema se é o seu caso sugiro que leia, Socorro meu filho está sofrendo bullying.

Ambiente escolar hostil: uma escola desorganizada e alunos desobedientes e desinteressados podem fazer com que seu filho perca o interesse em frequentá-la.
O que fazer: mudar de escola é a melhor solução nesse caso

Equipe escolar hostil: Em alguns casos o aluno se torna “manjado” exatamente por ter um histórico de indisciplina e más ações. Quando isso ocorre ele recebe a culpa por coisas que ele não fez e passa a ser “perseguido” por professores, inspetores e equipe de diretoria. Acontece também ocorre quando o pai ou a mãe discute, briga ou é agressivo com os funcionários da escola.

Atenção! O fenômeno da equipe escolar hostil acontece no mundo todo, pelo fato de trabalhar nesse ambiente ser estressante e em muitos casos perigoso. Não se engane, é bem provável que você na mesma situação agiria exatamente igual.

O que fazer? É possível reverter essa situação se você e/ou seu filho mudar e estabelecer uma nova relação com a escola, mas isso demanda bastante tempo. A solução mais fácil é mudar de escola.

Preguiça e comodismo: Por mais legal que uma escola seja, ela nunca vai ser mais interessante do que ficar em casa.

O que fazer? Pegar no pé o máximo que for possível, retirar privilégios e proibir uso de videogames, celulares, computadores,  televisão e até mesmo sair de casa em horário de aula.
Tag :

O que é alienação parental?

O que é alienação parental?

       

A palavra alienação significa afastar e a palavra parental está ligada a paternidade, assim sendo alienação parental é o esforço de afastar um filho do seu pai ou mãe.
         Em regra esse fenômeno tem inicio após o divórcio, o pai que fica com a guarda dos filhos (contínuo) tenta afastar os filhos do outro pai (descontínuo). Como no Brasil os juízes preferem dar a guarda das crianças para a mãe, geralmente é esta quem aliena os filhos do pai.   Esse afastamento pode ser físico, mas em geral ele é emocional, a pessoa que aliena tenta destruir a imagem do pai ao qual ela quer alienar. Faz isso tentando incutir na mente do filho que seu pai/mãe é uma pessoa desprezível, que não se importa com a criança, que é agressivo etc.

Atenção! Para que o texto se torne mais dinâmico de agora em diante o pai (ou mãe) que tenta afastar o filho do outro será chamado pai-alienador, e o pai (ou mãe) que está sendo afastado será chamado de pai-vítima.  

Sinais de que uma criança está sofrendo alienação parental
·         Para os pais vítimas de alienação parental esses sinais são bem claros, mas vamos falar deles...
·         A criança alienada demonstra um distanciamento quando antes era próxima, é como se ela tivesse deixado de gostar repentinamente do pai (mãe).
·         O abraço e as caricias passam a ser cada vez mais distantes sendo por vezes necessário pedir (ou implorar) por elas.
·         A criança parece não se divertir, por vezes é fácil notar que ele (a) está fingindo não estar se divertindo.
·         Chorar quando chega o pai alienado, evitar contato. E outros comportamentos que sugiram um afastamento repentino.

        Um sinal muito claro é quando a criança só age assim na presença do outro pai (alienador) agindo normalmente na ausência dele (a).

Como é feito a alienação parental?
O alienador pode se utilizar de todos os métodos escusos possíveis:
·         Mudar se e não dar o endereço para o outro pai
·         Impedir que o filho receba ligações do pai
·         Destruir cartas e presentes antes que cheguem ao filho
·         Contar histórias mentirosas ao filho sobre traições e agressões por parte do outro pai.

        Há algum tempo atrás participei de uma investigação em que uma mãe tentou forjar provas que um pai abusava sexualmente de sua filha.

     O alienador pode ainda dizer que o outro está morto ou não dar nenhuma notícia sobre ele para o filho:

       _ Eu passei dois anos sem saber nada sobre o meu pai, minha mãe se recusava em falar qualquer coisa sobre ele, eu comecei a acreditar que ele estava morto!

        A frase acima me foi dita por R.S. uma garota de 17 anos. Acho que isso dá para te trazer a ideia que não é apenas o pai alienado que sofre.


Alienação pode ser inconsciente:  A empatia e capacidade de reproduzir estados emocionais do outro é comum e necessário em nossa espécie.  Isso é facilmente notado em crianças no seu primeiro dia de aula, os filhos de mães que estão apreensivas choram mais dos que os filhos de mães que estão calmas. Do mesmo modo a tristeza, desconfiança ou ansiedade da mãe (Sim! Isso é mais comum com as mães) podem “contagiar” os filhos antes do encontro com o pai.  Nesse ponto não estou amparado em nenhum estudo científico, apenas noto isso em alguns casos que acompanho.
Consequências da alienação parental
       

A tentativa de afastar o pai do filho nessa situação é feito a base mentiras, chantagens e ameaças. Enquanto ainda é pequena a criança acredita naquilo que é dito pelo pai-alienador, que o pai-vítima não gosta dela, que nunca vem vê-la, que a agredia ou tentou abusar dela. Quando se chega à adolescência o jovem passa a ter consciência de que tudo o que lhe foi dito era mentira e que não se pode confiar nesse pai ou mãe que lhe contou tais histórias. Infelizmente na maioria dos casos ele também não confia no pai que foi afastado. Esse jovem passa a ser um adolescente problema, muitas vezes envolvidos com drogas e com outros delitos.
  
O que motiva a alienação parental?
        Pesquisas indicam que a alienação parental tem inicio ou intensifica quando o pai que não possui a guarda dos filhos dá inicio a um novo romance. Por esse prisma a alienação é motivada por um desejo de vingança pelo fim da relação e pela impossibilidade de se reatar os laços do antigo casal.
        Questões financeiras também tem grande influência, o fato do antigo cônjuge não estar pagando pensão ou pagando uma quantia considerada pouca ou inadequada (mesmo quando esta é determinada pelo juiz) faz com que o pai-alienador utilize o filho como moeda de troca. Após o casamento uma das partes pode perder seu poder financeiro enquanto o outro prospera e esse fator ás vezes motiva a alienação.

O filho é só meu: após o fim de um casamento o amor do filho parece à promessa de um amor eterno e infinito. Sendo assim por que eu dividiria com alguém que não valorizou o meu afeto e ainda pode me tirar o pouco que me sobrou? “minha mãe acha que ninguém gosta dela, e que eu sendo o seu filho sou obrigado a viver para sempre do lado dela” L. O. 14 anos. 

Apenas pais praticam alienação parental?
     Não! Existem casos de alienação parental praticada por avós, nesse caso estamos falando de pessoas idosas (geralmente senhoras) já aposentadas, viúvas e solitárias e sem outros afazeres ou pretensões. Nessa situação se vê no neto uma companhia e um objetivo para vida. O filho (a) pai (ou mãe) do neto passa a ser visto como um concorrente, alguém que pode levar o netinho embora ou com quem se tenha que dividir o amor da criança e por isso deve ser afastado.
        Em alguns casos uma família inteira pode contribuir para alienação, o pai que detém a guarda da criança, os avós, tios e até os irmãos que já estão totalmente alienados.

O que o pai-vítima pode fazer?
        Alienação parental é crime previsto na lei 12.318 apesar de não prever sanções civis ou penais (até a data em que eu escrevo), se caracterizada o juiz que cuidar do caso pode inverter a guarda dos filhos, impor multas e tratamento psicológico para o alienador.  Assim sendo na presença dos sinais acima citados procure pelo seu advogado, informe as autoridades responsáveis e o conselho tutelar.

Antes de acusar alguém...
       

Porém antes de acusar o ex-cônjuge de alienador, verifique se os sinais de afastamento apontados no começo desta postagem não frutos do Seu afastamento ou negligência. Muitos pais acham que o amor de uma criança por seu pai é algo que é seu por direito, mas isso é uma mentira. O amor é sempre conquistado e pode ser perdido, se o seu filho notar que você coloca ele sempre em segundo plano e não faz esforça para estar com ele ou agrada-lo ele pode compreender que não vale a pena estar ao seu lado e irá se afastar naturalmente.


     Para que seja caracterizada a alienação parental é necessário que existam alguns fatores que geralmente são ignorados:

1: O pai que supostamente está sendo alienado precisa ter tido uma boa relação com o filho no período anterior ao divórcio ou separação, de maneira que tenha sido estabelecido um vinculo de apego entre eles.

2: É necessário que NÃO haja nenhum motivo que justifique o afastamento por parte da criança.

      Esses dois parâmetros tão claros e necessários foram estabelecidos pelo Psiquiatra Norte Americano Richard Gardner. Esse pesquisador foi o responsável pelo estudo sobre o tema que culminou na criação na lei nos Estados Unidos que torna crime a alienação parental, o consequentemente influenciou indiretamente a lei brasileira.  

     Quando esses fatores são ignorados acontece o que eu frequentemente me deparo no meu trabalho:

·         Pais que sempre foram ausentes e omissos responsabilizando os seus ex-cônjuges pelo fato dos seus filhos os considerarem como estranhos. 

·         Pais que causaram (e causam) grande dor e sofrimento para a sua família sendo tratados como vítimas, enquanto suas ex-companheiras (Sim! A maioria são mulheres) que sofreram durante anos com agressões físicas e psicológicas são colocadas como vilãs.

·         Crianças que sofreram maus tratos e por vezes assédio sexual sendo obrigadas a entrar em contato novamente com os seus agressores.  Vale lembrar que maus tratos e assédios sexuais nem sempre deixam provas materiais e muitos monstros acabam sendo inocentados por esse motivo.

         Assim sendo quero ressaltar que alienação parental não é algo tão simples de concluir e antes de culpar essa ou aquela pessoa conheça bem o caso. A alienação parental é algo complexo e por isso mesmo para ser caracterizada é necessário que cada caso seja avaliado por psiquiatras, psicólogo e assistente sociais, com base no relatório desses profissionais o juiz irá determinar se existe ou não tal ocorrência. 
    
   Em ambos os casos, seja por alienação ou por consequência do seu afastamento você vai precisar reconquistar o afeto dos seus filhos, e para isso use sentimentos e atitudes reais e não tente comprar as crianças com presentes e passeios caros.

Evitando erros e problemas ao se falar em público

Evitando erros e problemas ao se falar em público

         

Quem tem medo de falar em público está sempre esperando que alguma coisa de ruim aconteça principalmente na hora da apresentação. Pensar no pior não vai te ajudar em nada, mas nem por isso se deve facilitar para que algum problema ocorra. Por esse razão vamos ver o que você pode fazer para evitar que alguma coisa saia errado na sua apresentação, seminário ou Entrega de TCC.

Planeje
        Se não sabe como quer que seja a sua apresentação ela dificilmente sairá boa. É fundamental que você tenha plena consciência do que irá falar, que irá mostrar (vídeos, fotos, slides, textos, musicas etc.) e o quanto de tempo vai gastar com essas coisas. Por isso é imprescindível que você ensaie antes de cada apresentação, aliá até as piadas e gracinhas que pretende falar.

Fale de maneira simples
     
   Alguém que fala bem não é necessariamente alguém que usa um vocabulário complexo e cheio de palavras difíceis. Querer usar uma linguagem mais rebuscada na hora da apresentação quando não se tem o hábito de se falar assim é como dar um tiro no próprio pé. Além de te fazer parecer artificial e falso isso aumenta as chances de você errar a palavra, gaguejar ou ter um branco. Só use palavras que não está acostumado a usar se isso for realmente necessário. Os maiores oradores e comunicadores do mundo falam ao público como se estivessem tendo uma conversa informal com um amigo.

Crie uma apresentação enxuta
        A não ser que o seu tema seja algo extremamente restrito dificilmente você vai conseguir falar tudo a respeito dele, aliás, não se deve nem tentar fazer isso.  Foque-se apenas em criar uma apresentação que caiba dentro do tempo que você possui, não vai adiantar fazer uma palestra gigantesca se te disponibilizaram apenas quinze minutos para falar.

Dicas para se perder o medo de falar em público
Técnicas para vencer o medo de falar em  público
Vença a timidez

Antecipe as perguntas que podem lhe fazer
       

Mesmo as pessoas mais desinibidas tremem na hora de responder perguntas do público, isso acontece por que elas são pegas de surpresa, nesse caso o ideal é se antecipar e ao terminar de escrever a sua apresentação, leia ela novamente e tente retirar dela o máximo de perguntas possíveis, tente imaginar o que atiçaria a curiosidade das pessoas que está na sua apresentação e crie perguntas com base nisso. Decore as respostas para elas e surpreenda as pessoas tendo as respostas na ponta da língua.
Mas como eu posso saber as perguntas que as pessoas vão fazer? As pessoas bem previsíveis às vezes, basta se colocar no lugar do outro e vai saber a dúvida que seu público vai ter, como eu fiz agora com você.

Conheça o lugar da apresentação
       Já falei sobre isso antes, mas agora quero enfatizar outras questões, as práticas. O que você vai precisar par se apresentar? Espaço adequado, tomadas para ligar coisas elétricas e eletrônicas? E se na hora da apresentação estiver faltando essas coisas?  Por isso é importante conhecer o lugar onde se vai ficar.

  Grave sua apresentação em mídias diferentes
      

É um recurso comum das pessoas tímidas usarem vídeos, slides com imagens interessantes e qualquer coisa para que a platéia desvie o olhar sobre eles e para que não precisem falar muito. Essa é até uma boa estratégia o problema é quando você grava tudo em um pendrive e ele falha ou o computador não consegue Lê-lo.
     Salve a sua apresentação em diversos formatos de arquivos e os guarde em mídias diferentes (CD, DVD, pendrive, Micro SD, etc.). Não que isso vá impedir qualquer coisa ruim, mas já é uma boa garantia.

Não dependa de uma única pessoa
            Em apresentações de grupo é comum acontecer algum imprevisto com um dos participantes e por conta disso alguém ter que faltar ou chegar atrasado, como os grupos têm o hábito de dividir perfeitamente as tarefas a parte que cabia ao sujeito que faltou irá ficar faltando.
        O correto é que todos os membros entendam a apresentação por completo ou pelo menos a parte de outra pessoa além da própria. O material de apresentação também deve estar com mais de uma pessoa, caso o responsável não possa comparecer os outros não ficarão na mão.

Técnicas para perder o medo de falar em público

Técnicas para perder o medo de falar em público

       

O único jeito de vencer a timidez para falar em público é falando em público muitas e muitas vezes, mas como você tem medo de fazer isso acaba entrando em um ciclo vicioso: não perde a timidez para se expor ao público por evitar se expor público e não fala em público por ter medo.  Quebrar isso é possível através do treino de aproximação sucessiva:

        O que é aproximação sucessiva? É uma técnica da Psicologia cognitiva que propõe aproximar pouco a pouco a pessoa do seu medo. É como se fosse uma espécie de treino em que o individuo fosse habilitado para encarar gradativamente aquilo que teme. O coerente e mais eficiente é que um psicólogo elabore exercícios específicos para você. O que irei mostrar aqui é um treino genérico 
  
Atenção: Ao realizar esses exercícios você provavelmente irá se sentir triste e decepcionado com si mesmo, pela sua voz e pela sua aparência. Isso ocorre por estar sofrendo de baixa autoestima e por ter uma crítica pessoal muito forte. Depois de repetir várias vezes esses exercícios irá notar que o seu autoconceito vai mudando aos poucos.

Etapa 1: O gravador
          Vamos começar treinando a voz, para isso será necessário algum tipo de gravador, pode ser até mesmo o do seu celular ou computador.
          
Crie um discurso sobre algo que você domine ou pegue a sua parte da apresentação (escola, faculdade, trabalho etc.).  Decore tudo o que você acredita que é importante apresentar. Coloque em um papel de maneira sequencial, apresentado as ideias de uma forma cronológica, primeiro os fatos mais simples e depois o s mais complicados. 

         Quando sentir que está pronto, grave a sua voz como se estive diante do público. Lembre-se:
·         Fale com a cabeça erguida e a coluna ereta
·         Encha os pulmões de ar fale em voz alta
·         Exponha as suas falas como se estivesse explicando para uma pessoa que você respeite e goste (sua mãe, pai, avós, professores...)
·         Use de preferência palavras simples que você já tenha o hábito de usar
·         Fale com o máximo de convicção que puder

         Quando terminar o seu discurso pare a gravação e ouça para ver como ficou (ouça até o final), se estiver baixo e ruim de escutar é sinal que você precisa falar mais alto. Se achar que alguma coisa ficou estranha ou difícil de entender modifique. Repita esse processo por pelo menos 12 vezes antes de pular para a próxima etapa.

Etapa 2: Diante do espelho
       Nesse ponto iremos treinar a sua postura e aparência diante do publico, para isso iremos precisar de um espelho no qual você possa se ver de pés a cabeça. Repita mais uma vez o seu discurso enquanto se olha no espelho.
 Não se esqueça:
·         Coloque uma roupa apresentável, algo que te deixe mais bonito (a)
·         Cuide sua aparência geral: arrume os cabelos, lave o rosto use alguma maquiagem (se for mulher ou não se incomodar em fazer isso)
·         Fique com a coluna ereta e cabeça levantada (feito um sargento treinando os recrutas)
·         Mantenha os pés ligeiramente afastados de maneira que permaneça perfeitamente equilibrado.
·         Experimente usar as mãos para transmitir conceitos e ideias, se não puder fazer isso evite mexê-la de maneira brusca ou repetitiva.
        Fale o seu discurso completo sem pausa, caso erre algum ponto, improvise o concerto como se estivesse realmente se apresentando para a sua turma, mantenha se firme olhando  no espelho enquanto fala. Faça isso sem desviar o olhar do espelho.  Faça esse exercício por pelo menos 10 vezes até passar para a próxima etapa

Etapa 2.1: Filmando
        Se você tiver acesso a uma filmadora, ainda a que seja a do seu celular ou computador, repita o exercício anterior filmando a sua apresentação. Pare assista o que viu,  e grave novamente corrigindo o que não gostou. Se for não conseguir uma filmadora então pule essa sub-etapa.

Etapa 3: Falando com alguém de sua confiança
        Depois de sua apresentação ter atingindo o ponto no qual você considera boa é hora de se apresentar para o primeiro público, no caso aqui esse é um público reduzido constituído de uma única pessoa de sua confiança que pode ser sua mãe, pai melhor amigo (a), namorado (a) etc.

 Etapa 4: Um pequeno grupo
       

Repita a sua apresentação para um grupo pequeno de pessoas, pode ser a sua família ou os outros membros do seu grupo de seminário ou de trabalho. Não importa basta que essas pessoas estejam dispostas a te ouvir.
Dica!! Se não for o caso de você ter que se apresentar para a escola, faculdade ou trabalho (se está simplesmente tentando vencer a timidez) experimente contar uma piada ou uma história engraçada. Siga o mesmo processo até conseguir fazer isso é um grupo razoável de pessoas.

Dicas para perder a vergonha de falar em público 
Como evitar problemas ao se falar em público
Vença a timidez

Técnicas evasivas para perder o medo de falar em público 
       Se você é tímido ou tem vergonha de falar em público e precisa fazer uma apresentação seja para a escola, faculdade ou trabalho e não tem tempo hábil para resolver de vez esse problema as técnicas que eu irei passar podem ser a sua solução. Nenhuma delas vai curar o seu medo, o que elas podem fazer e te ajudar a não travar ou virar um pimentão enquanto estiver falando na frente de todo mundo:

 OBS: Para os especialistas em oratória as técnicas descritas a seguir dificultam que você ganhe a empatia do público e impedem que você se torne um verdadeiro palestrante ou orador. Se sua intenção é apenas ganhar nota tudo bem, mas se precisa convencer alguém ou vender um produto faça um curso de oratória.

A platéia nua
      Essa é bem famosa e polêmica, mas ainda sim ela funciona justamente por apelar a um dos nossos instintos mais básicos

Como fazer: imagine que todas as pessoas que estão te assistindo estão nuas, imagine como são os seus corpos tomando por base os seus rostos e contornos da roupa. Faça isso enquanto estiver fazendo a sua apresentação e mantendo o seu foco nela.

Olhar amigo      
        Essa técnica é simples e intuitiva, costuma a dar certo para o tímido e para aqueles que têm medo e vergonha de falar em público.

Como fazer: Busque na platéia alguém que pareça estar simpatizando com você, alguém que te dê um olha amistoso, pode ser realmente um amigo seu ou alguém conhecido (na verdade é até melhor) enquanto estiver discursado olhe para essa pessoa e fale com se fosse para ela. O ideal é encontrar vários rostos amigos e ir alternando entre eles. Você pode pedir para que os seus amigos se sentem em locais diferentes durante a apresentação e fazer isso.

A caneta
     Essa eu já percebi sendo feita por alguns palestrantes, ainda que de forma inconsciente.

Como fazer: segure uma caneta em suas mãos enquanto estiver se apresentando. Durante a sua fala gire a caneta na mão, entre os dedos, passe de uma mão para outra.

A quarta parede
          É um conceito vindo do teatro e nele possui grande profundidade filosófica e conceitual, porém não iremos entrar nessas questões. Interessa-nos apenas vencer a timidez diante do público.

Como fazer: 

Em geral durante uma apresentação haverá uma parede atrás de você, uma segunda a sua direita e uma terceira a sua esquerda a técnica aqui é imaginar uma última parede (a quarta) entre você e o público, de modo que em sua mente você esteja só em seu quarto sem precisar se preocupar com  opinião e outras influências  dos espectadores.



Esses exercícios são bem efetivos para casos leves de medo de falar em público. Caso você sinta que eles não estão te ajudando, procure por um psicólogo. Cursos de oratória e cursos específicos para esse medo se mostram bastante efetivos.

Por que meu filho é tão desobediente?

 O que leva crianças e adolescentes à indisciplina?

       

Crianças que não param quietas, adolescentes que se comportam mal e respondem seus pais o que ocasiona essas coisas? Falta de regras e “umas boas palmadas” são apontadas como principal causa de indisciplina pelo senso comum, porém os fatores podem ser outros. Identificar e entender de outra forma essas necessidades, essa é uma forma mais eficaz de combater a indisciplina e fazer com que pais e filhos se relacionem melhor. Nesse artigo irei mostrar algumas das causas que mais levam crianças e adolescentes a agirem de maneira inadequada.

   Necessidade de chamar a atenção. Por vezes a criança e o adolescente sentem falta de atenção e carinho, todos nós precisamos ser notados, precisamos do olhar do outro para saber quem somos. Essa necessidade é tão forte que isso leva inconsciente ao desafio: “Você me dá por bem ou eu vou tomar na marra!” Dessa forma a indisciplina trás seu premio: ainda que seja uma olhar de reprovação eu estou sendo olhada; ainda que esteja apanhando, estou sendo tocada. Carinho e atenção é o remédio para esse problema.

    
Tédio ou ociosidade. Pessoas adultas podem começar a fazer besteiras e arrumar confusão quando ficam muito tempo sem fazer nada (vide reality shows). Então imagine as crianças e os adolescentes que possuem muito mais vitalidade. Tenha sempre disponíveis coisas que possam manter os jovens distraídos e ocupados, passe para eles tarefas das quais eles possam dar conta, dê a eles a devida atenção.


    Fazer-se de vítima. Pessoas com a autoestima baixa tendem a provocar situações ou tomar atitudes que façam que elas sejam reprovadas e dessa forma elas comprovam para si mesmas o quanto são injustiçadas (vejo isso em muitas pessoas adultas). Crianças assim costumam soltar o famoso: “eu nunca posso fazer nada” ou “sempre eu”. Trabalhe autoestima do seu filho/aluno.

    Obter poder. Ninguém aguenta esse (a)  menino (a)! É uma frase recorrente e infeliz, muitas vezes é exatamente o que a criança quer ouvir. Se por um lado o adulto tiraniza através da força, a criança tiraniza através da bagunça e indisciplina.  De forma bem frequente essa a resposta dada pela criança aos pais autoritários. Para se livrar desse problema passe a dialogar e a respeitar o mais jovem com ser independente e donos dos seus próprios direitos e deveres, e não mais como um robô que tem que obedecer as suas vontades.

Problemas psicológicos e de saúde em geral: algumas condições médicas e psicológicas podem acarretar um comportamento indesejado por parte dos mais jovens. Exemplo é o D.D.A e a Hiperatividade, entretanto existem muitos que somente a avaliação de um profissional (psicólogo ou médico) poderá determinar.

Abuso negligência e maus tratos: crianças vítimas de violência doméstica (e aquelas que presenciam essa forma de agressão) podem apresentar comportamento agressivo e desafiador, aliás esses são sinais de alerta para abusos, em caso de suspeita, ainda que não confirmada avise ao Conselho Tutelar ou ao CREAS da sua região. 
Tag :

Você nunca vai vencer a timidez! Saiba o motivo:

Você nunca vai vencer a timidez! Saiba  o motivo:

       

Faz certo tempo que eu pesquiso, respondo perguntas e escrevo sobre timidez, ansiedade social e fobia social. Na verdade tempo suficiente para compreender o motivo pelo qual tantas pessoas passam suas vidas inteiras sendo aprisionadas pela timidez. Sim! Estou falando de você que já leu diversos livros sobre o assunto, assiste vídeos sobre timidez e lê frequentemente os meus artigos e blogs.

O que causa a mudança dentro de você?
        Há muito tempo os psicólogos sabem que uma pessoa somente muda o seu comportamento ou se cura de um transtorno mental se ela/ele assim o desejar. Aliás tal fato é motivo de chacota e descrença nas psicoterapias, porém é a mais pura verdade.  Alguém que não quer deixar de ser ansioso, não vai vencer a ansiedade mesmo com os melhores tratamentos, ele pode estar sedado, mas ainda assim continuará se preocupando com trivialidades.

Motivação é a chave da transformação
       
Por que não consigo vencer a timidez?

Eu sempre repito, por que é um fato: motivação é o combustível para a mudança de atitudes. Deixar de ser tímido é algo que irá exigir de você grande esforço e muitos sacrifícios e só resiste a isso quem tem motivos realmente fortes e sinceros. Caso a sua motivação seja frouxa você irá fraquejar e desistir voltando a se esconder na timidez.


Seus motivos não são fortes o suficiente
        Você acha que já encontrou motivos para vencer a timidez, mas infelizmente está errado! Como eu sei disso? Porque você está lendo esse texto! Se sua motivação fosse realmente boa você já teria superado esse problema de uma vez por todas.  Mas nos próximos parágrafos irei mostrar as razões pelas quais você deve sacrificar tudo para vencer a timidez.
Leia também:
·         Dicas para Vencer a timidez
·         Paquera para tímidos

Por que você deve vencer a timidez
       No artigo anterior eu afirmei que o real motivo pelo qual você não consegue vencer a timidez é a falta de motivação. Sim eu sei que você deseja muito, mas como eu já afirmei anteriormente às vezes desejar não é o suficiente.  Neste artigo eu irei mostrar algumas razões pelas quais você realmente deve fazer todo o esforço necessário para superar a timidez.

O que motiva a transformação?
     

Decompondo a palavra motivação obtemos motivo+ação, ou seja, é aquilo que move para agir. Somo principalmente motivados pelo desejo e pelo medo. O primeiro é que te trouxe até esse blog e a ler esse artigo, mas como afirmei anteriormente ele não é o suficiente. Qual é a razão de estar repetindo isso? Pense o tanto de coisas que você deseja ter ou fazer... quantas tem sido adiadas há anos para ser adquiridas ou realizadas? A verdade é que medo é um motivador muito melhor, pois ele cria dentro do individuou um senso de urgência ou emergência.

Quero te deixar apavorado! Sim essa é a minha intenção! Não sei se vou conseguir, mas vou fazer o possível que isso aconteça.  Caso você não queira isso, pule esse artigo e leia os próximos, porém tenha certeza de que tudo o que vou falar é verdade...

Lembre-se do que a timidez com seu passado:
        A timidez lhe proporcionou um histórico de solidão e sofrimento não é mesmo? Lembra-se das pessoas com as quais quis conversar porém foi impedido por ela? E aquele por quem você sempre nutriu admiração, diria até uma paixão, porem o medo de ser rejeitado te impediu de dizer o que sentia por ela. Não se esqueça das oportunidades que teve para mostrar o seu conhecimento, ter boas notas ou impressionar seu chefe e, no entanto foi calado pela timidez.

Como a timidez afeta o seu presente?
        Você tem visto a pessoa que gostava nos braços de outro (a)? Vê gente menos preparada que você se dando bem enquanto você fica para trás? Sua frio, tem taquicardia e tontura toda a vez que te pedem para falar na frente de mais que uma pessoa. Acaba perdendo dinheiro por que não tem coragem de reclamar de um produto com defeito ou do troco veio errado. Muita gente abusa da sua boa vontade te pedindo favores abusivos ou te destinando os piores trabalhos só por você não conseguir se impor.

Como a timidez pode destruir o seu futuro
        Imagine todas as outras pessoas se casando e você ficado para trás, até chegar à idade em que nenhum (a) pretendente se interessar por você. Por conta disso, e de seu isolamento a sua terceira idade será extremamente solitária. Se isso já não fosse o bastante temos que considerar ainda a sua vida financeira, não e engane, mesmo que você seja inteligente, o sucesso profissional depende da sua capacidade de se relacionar com outras pessoas, sem isso estará condenado a ter os piores serviços e os menores salários. Resumindo: você vai chegar ao fim da vida pobre e solitário (a) se não vencer a timidez!

O que você deve fazer para vencer a timidez?

        Você já vasculhou a internet atrás de solução para o seu problema, mas ainda sofre com a timidez? Dicas são para casos mais leves, se elas não estão surtindo efeito é necessário ir além. Matricule-se em um curso sobre timidez, faça aulas de teatro e/ou de oratória. Comece a fazer terapia para ressignificar os seus bloqueios e desfazer pensamentos automáticos. Mova-se! Não deixe a timidez te impedir de viver.
Tag :
Cesar Augusto S. Borella. Tecnologia do Blogger.

Quem sou eu

Copyright © Psicologo.com

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DOS ARTIGOS DO PSICOLOGO.COM SEM A AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DO AUTOR